PANORAMAS LIVRES

por Diego Franco

Eu bem sabia que a nossa visão é um ato

poético do olhar.

Manoel de Barros, Menino do Mato


Há 18 anos, a Mostra do Filme Livre desenha um fugidio panorama do cenário cinematográfico nacional, apostando em uma certa paisagem audiovisual, em meio a tantas outras possíveis. Começar com perguntas o texto que se propõe lançar um vislumbre sobre esse importante recorte de nossa programação pode soar pretensioso, especialmente quando não se deseja respondê-las. Mas me parece importante segurar em perguntas que possam ajudar a tatear os oceanos interiores - os meus e aqueles outros, dos filmes - na doce vertigem provocada pela vista - ora límpida, ora pantanosa - que se manifesta através das sessões Panoramas Livres. Especialmente pela costura de filmes que as estruturam, filmes que moraram tantos meses em minha retinas e influenciaram, entre outras coisas, meus sonhos, especialmente aqueles que tive quando ainda acordado, em plena luz de verão. Eis então as inquietações que movimentam o pensamento em torno deste breviário: como o cinema pode dar visibilidade - dar forma, cor, movimento - a coisas invisíveis? De que maneira o choque entre planos faz explodir, no corpo-espectador, sentimentos tais como alegria, amor e desalento e como esse jogo se relaciona com a poesia que, tal como o moribundo, se agarra à vida? A possibilidade de nos fazer enxergar noções do nosso imaginário de maneira compreensível fez o cinema transformar-se em importante dispositivo de fabulação de memória, criação de desejo e encantamento e, paralelamente, colocou em evidência seu lugar enquanto técnica, enquanto prática: uma experiência de montagem de imagens e sons, uma arte que, tal como a música, cria seus próprios ritmos e atmosferas. Mas o que leva o cinema a penetrar profundamente na paisagem mental do nosso tempo? Os filmes serão abordados pelas relações que estabelecem dentro de suas respectivas sessões, as quais, aos olhos da curadoria, rasgam na tela do cinema potentes vias de sensibilidade na abordagem de personagens e argumentos, explorando intensamente as possibilidades de afecção das imagens em movimento.


EM CONSTRUÇÃO


PANORAMA LIVRE 1


PANORAMA LIVRE 2


PANORAMA LIVRE 3


PANORAMA LIVRE 4


PANORAMA LIVRE 5


PANORAMA LIVRE 6


(...)