MFL 2018 - Clique aqui para conferir!


MUITO ROMÂNTICO Selecionado PREMIADO


Melissa e Gustavo atravessam o Oceano Atlântico em busca de uma vida nova em Berlim. Eles seguem seu caminho fazendo filmes, amizades e música, mas um segredo revelado faz o medo vir à tona. Os dois perdem o rumo, até o dia em que encontram um portal para o cosmos, expandindo a travessia para além do tempo e do espaço. * A aventura de Melissa e Gustavo começa a bordo de um navio cargueiro cruzando o Oceano Atlântico. A travessia leva-os para Berlim, cidade em constante movimento onde o velho dá lugar ao novo. O casal encontra uma casa e a transforma no centro do seu próprio universo. Enquanto o tempo passa e as estações do ano se sucedem, vida e cinema tornam-se uma mesma coisa, e o quarto do casal vira um palco onde amigos são convidados a interpretar seus próprios papéis. Nesse estado de transição Melissa e Gustavo se perdem e o seu mundo começa a tremer. Até o dia em que um portal para o cosmos aparece na sua casa, abrindo conexões entre o passado, futuro e presente, confrontando os dois viajantes com descobertas extraordinárias. MUITO ROMÂNTICO é uma corrente que conduz corações e mentes. Uma reorganização lúdica de experiências, memórias e fantasias numa viagem que transcende o tempo e o espaço.
Direção: Melissa Dullius, Gustavo Jahn
Duração: 72min
UF/Ano: RJ/2016
Classificação Indicativa: 14 anos
Equipe: Roteiro, Direção, Montagem: Melissa Dullius & Gustavo Jahn, Produção: Melissa Dullius, Gustavo Jahn, Gustavo Beck, Cinematografia: Ville Piippo, Assistência de Direção: Bernardo Zanotta, Desenho de Som, Mixagem: Jochen Jezussek, Produtores associados: Zsuzsanna Kiràly, Michel Balagué
Elenco: MELISSA DULLIUS, GUSTAVO JAHN, LILJA LÖFFLER, NIKOLAUS TSCHESCHNER, FRIEDERIKE FRERICHS
Contato: Melissa Dullius - mail@distruktur.com
Facebook: https://www.facebook.com/muito.romantico.filme/
Website: http://www.distruktur.com/index.php?/film/muito-romantico/

Texto Premiação


"Autobiográfico? Se eles soubessem!"
Lou Reed, sobre o álbum Berlin (1973)

Muito Romântico surge como um reflexo de um amadurecimento da trajetória de mais de 10 anos da dupla Distruktur (jogo de palavras que envolve estrutura, dualidade e destruição), formado por Gustavo Jahn e Melissa Dullius. Realizando filmes, fotografias, instalações e filmesperformances, Gustavo e Melissa se apresentaram em diversos festivais, galerias e centros culturais em diversas cidades do mundo (Moscou, Berlim, Recife, São Paulo, Nova York, entre outras). Nesse sentido, o filme funciona quase como uma retrospectiva autobiográfica, mesclado um autorretrato carregado de texturas expressivas (há quase uma obsessão da dupla pelo formato 16mm), além de mirações psicodélicas e reflexões sobre o próprio fazer artístico. Um olhar de dentro pra fora (e vice versa) sobre a trajetória da dupla de realizadores que partiu rumo a Berlim, onde residem há uma década experimentando outras narrativas. Há uma incansável resistência na busca por uma nova forma de expressão audiovisual nesta vivência de Melissa & Gustavo pelo mundo, transando filmes e projeções 16mm, relacionamento conjugal e festas psicodélicas surrealistas, tentando sobreviver entre a vida e a arte. O filme é um mergulho profundo no cotidiano destes indivíduos e nas suas respectivas visões de mundo. E assim a dupla se joga nos arredores de Berlim fazendo seu cinema sem fronteiras narrativas. “O que fica é o que a gente faz”, afirma Gustavo numa diálogo lúcido (um dos poucos do filme, aliás), misto de carta de intenções e profecia.

Mas esse olhar quase documental sobre o cotidiano acaba encontrando novamente o caminho de um cinema onírico, que aborda ao mesmo tempo a perplexidade destes realizadores desbravadores de fronteiras e linguagens e um manifesto sobre sua busca de um lugar ao sol, em meio ao caos da urbanização/gentrificação de uma megalópole em constante transmutação (não que aqui na Pindorama seja muito diferente em termos imobiliários). Em 2007, escrevi sobre a importância de Éternau como um contraponto a canoa furada do cinema narrativo e não foi difícil compreender o que os levou a atravessar o atlântico a bordo de um navio cargueiro, navegando entre a necessidade de seguir com força total e a incerteza de seu próprio percurso. Penso que esta é a própria metáfora da obra dos realizadores, um trabalho em construção (ou colagem) permanente de um filme no outro, um conceito em contraponto ao outro, sem necessidade de um destino (ou conceito) pré-definidos.

Enfim, os méritos de Muito Romântico não estão apenas na explosão de texturas fílmicas e na singular abordagem de uma certa nuance autobiográfica, mas também na sua reflexão sobre o tempo, o espaço e o deslocamento, além de uma incessante busca de novos e desconhecidos caminhos cinematográficos.




Chico Serra

PROGRAMAÇÃO


(informações fornecidas pelos filmes no ato da inscrição online)