MFL 2018 - Clique aqui para conferir!


Algo do que fica Inédito* Selecionado PREMIADO


Avó e neta estão de mudança da casa onde vivem no centro de Goiânia, ao lado do lote do acidente do Césio 137. Em breve a casa será demolida para a construção de um museu. Enquanto isso, uma estranha presença orbita pela casa.
Direção: Benedito Ferreira
Duração: 23min
UF/Ano: GO/2017
Classificação Indicativa: 12 anos
Equipe: Direção e roteiro: Benedito Ferreira, Produção executiva: Lidiana Reis, Direção de fotografia: Larry Sullivan, Direção de arte e figurinos: Wilma Morais, Montagem e finalização: Maurélio Toscano, Som direto e mixagem: Thiago Camargo, Direção de produção: Bárbara de Almeida.
Elenco: Maria Sisterolli, Larissa Sisterolli, Oldom Bonfim, Cleonice Souza, Flávia Monik, Gabriela Marinho, Janayna Nayume, João Paulo Falcão, Kadu Marques, Kailany Souza e Nick Tavares
Contato: Benedito Ferreira - bfeneto@gmail.com

Texto Premiação


Um senhor adoecido se arrasta para o vazio terreno da rua 57, o corpo envolvido por um lençol azul, azul como o césio em noite de lua nova. Há 30 anos, a cápsula começava a ser desmontada naquele mesmo lugar. Quem sabe não testemunhamos a última dança de um homem ao som do silêncio dos mortos? O acidente do césio 137 é ironicamente relembrado por Benedito Ferreira, que reflete com seu filme a especulação imobiliária pela qual vem passando a região mais fortemente afetada pelo incidente. A Comissão Nacional de Energia Nuclear e o estado de Goiás decidiram que um museu ajudará a recuperar e preservar essa memória, o que torna inevitável a curiosidade sobre a história que vão contar… será a dos contaminados? O terreno no qual os jovens ensaiam sua mórbida apresentação foi um dos focos desse acidente de aspecto criminoso: a casa fora demolida, o solo retirado e uma camada de concreto colocada para controlar a radiação, mas algo ficou.

Diego Franco

PROGRAMAÇÃO


(informações fornecidas pelos filmes no ato da inscrição online)